.'. Kleber Cavalcante de Sousa: Março 2012

sábado, 17 de março de 2012

A REALIZAÇÃO PESSOAL ATRAVÉS DOS PRINCIPIOS R+C LISBOA - PORTUGAL


          Professor e Administrador Kleber Cavalcante de Sousa leva sua palestra MOTIVACIONAL A EUROPA, agora enfocando a questão da realização pessoal através dos principios Rosacruzes,tratando de temas como: A felicidade, a Realização Pessoal, Nossos sonhos, Planejamento de vida, Perseverança, Fé, Coragem, Ética, Autoconhecimento, Foco, disciplima, Competências, Técnicas de visualização, e meditação, o uso da intuição, entre outros.
       A Ordem Rosacruz, AMORC é uma organização internacional de caráter místico-filosófico, que tem por missão despertar o potencial interior do ser humano, auxiliando-o em seu desenvolvimento, em espírito de fraternidade, respeitando a liberdade individual, dentro da Tradição e da Cultura Rosacruz."


 
Palestra Loja Rosacruz Lisboa - Portugal

quinta-feira, 15 de março de 2012

EUROPA RECEBE PALESTRA DO ADM. E PROF. KLEBER CAVALCANTE DE SOUSA




LOJA ROSACRUZ LISBOA - Local da Palestra
         Portugueses recebem no Próximo dia 24 de Março, na LOJA ROSACRUZ LISBOA, o Administrador e Professor Kleber Cavalcante de Sousa, que ministrará a palestra " A REALIZAÇÃO PESSOAL ATRAVÉS DOS PRINCIPIOS ROSACRUZES". Através de um trabalho de pesquisa e estudo nos livros " Caminhos do Suceso - a realização ao seu alcance", do próprio autor, e "Principios Rosacruzes para o Lar e os Negócios", de Spencer Lewis. Nesta palestra o Professor Kleber Cavalcante, que també é Rosacruz demonstra de forma muito didática a importância do conhecimento das leis da natureza, e do uso adequado dos principios que contribuem para o alcance da realização pessoal das pessoas.

            Esta palestra já foi ministrada na LOJA ROSACRUZ NATAL.

Cartaz da Palestra Realizada na LOJA R+C NATAL
NOTICIAS SOBRE O EVENTO SERÃO POSTADOS DIRETO DA EUROPA.

sexta-feira, 9 de março de 2012

A ECONOMIA DO LIXO

                 O Brasil é um dos Países que mais se desenvolve no mundo contemporâneo. Um desenvolvimento que traz grandes benefícios para a população em geral. Dentre esses benefícios destaco o aumento do acesso a educação, aumento de investimentos em infra-estrutura, maior poder de atração de investimentos internacionais, aumento de crédito, aumento de oferta de empregos, e o aumento de poder aquisitivo das pessoas, fatores que tem contribuído de forma decisiva para aumentar o consumo em nosso país, fortalecer o ciclo econômico.
                É importante destacar, que este crescimento econômico quando não bem planejado, que é o caso dos países em desenvolvimento, como China, Índia, Africa do Sul, e o Brasil vem gerando problemas para a sociedade, como o caso do mau uso dos recursos naturais, e a grande produção de lixo.
                Com relação ao mau uso dos recursos naturais o governo e as organizações sociais tem trabalhado orientando e fiscalizando esta ação, para tentar diminuir a degradação ambiental, através do aumento da publicidade e da fiscalização, inclusive multando os infratores. Estas ações tem alcançado alguns resultados positivos, apesar de ainda serem muito abaixo do esperado.
               Já no caso do lixo, os dados preocupam. O Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos em 2010. De acordo com o levantamento feito pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), a média de lixo gerado por pessoa no país foi de 378 quilos (kg). Ao longo de 2010, o montante chegou a 60,8 milhões de toneladas de lixo. Dessas, 6,5 milhões de toneladas não foram coletadas e acabaram em rios, córregos e terrenos baldios. Os programas de coleta seletiva também deixaram de avançar: dos 5.565 municípios brasileiros, 3.205 possuem alguma iniciativa de coleta seletiva. É verdade que estas ações visando a educação ambiental exigem o envolvimento de vários setores da sociedade, pois sem a participação da população e das organizações sociais não se alcançará o êxito desejado.
              Uma excelente iniciativa governamental foi a criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) aprovada pelo CONGRESSO NACIONAL, e regulamentada em dezembro de 2010. Um dos principais pontos desta política é a extinção dos lixões até 2014, o que significa que os 61% dos municípios brasileiros que ainda destinam o lixo de forma inadequada têm pouco tempo para se adaptarem. Entendo que esta ação é bastante relevante para a redução da poluição pois o plano prevê a necessidade do reaproveitamento dos resíduos sólidos, através da produção de novos insumos e até novos produtos, que podem ser produzidos aproveitando os resíduos. Neste processo de readaptação da sociedade visando adquirir a cultura da reciclagem, do reaproveitamento e do retorno dos resíduos, observo grandes oportunidades para os empreendedores sociais, que através da sua liderança, iniciativa e capacidade de mobilização podem se organizar nos municípios brasileiros criando associações e se credenciando juntos aos órgãos públicos visando dar a sua contribuição para o sucesso desta política pública, e ainda contribuir na geração de renda para as populações menos privilegiadas, visto que diversos serviços serão necessários para a implementação desta atividade, entre eles : A orientação da população, a coleta, a separação, a armazenagem, e manejo dos equipamentos para a transformação dos resíduos, etc.
               Entretanto é preciso que os gestores públicos trabalhem de forma mais contundente preparando seus municípios para esta nova realidade. Diversas ações devem ser realizadas neste sentido, entre elas destaco: Implantação de uma cultura ambiental, através de atividades nas escolas, realizar ações públicas que tratem sobre a importância da reciclagem, do reaproveitamento e da reutilização. Conceder benefícios sociais e fiscais para as empresas que menos produzirem lixo e para as que mais realizarem ações ligadas a reciclagem, firmar parcerias com instituições visando a realização de ações educativas e práticas para orientar e educar as pessoas para a redução da produção de lixo, para reciclagem, e o reaproveitamento, implantar coletores de lixo reciclável pelos diversos pontos da cidade, estimular a criação das associações de catadores, treinar e capacitar as pessoas para trabalhem pela diminuição da produção de lixo.
               Portanto, vislumbro uma grande oportunidade para o sucesso desta política ambiental, visto que além de trazer benefícios sociais, ambientais, também contribui na melhoria econômica de algumas famílias, tornando as pessoas úteis e participantes do processo produtivo. Neste sentido entendo que é preciso todos trabalhar em prol do sucesso desta política que pode transformar um problema social e ambiental, em uma ferramenta para resolvermos outro grande problema de nosso País, que a falta de renda de algumas pessoas na região do semi-árido nordestino.

domingo, 4 de março de 2012

RN - PORTAL DAS AMÉRICAS

         
  Uma das grandes características destes novos tempos é a maior mobilidade das pessoas e das organizações. As pessoas se deslocam com muita mais facilidade em busca de melhores condições para se viver e para executarem suas atividades profissionais. Já as empresas se instalam hoje nas regiões que oferecem as melhores condições de infra-estrutura, logística, maior oferta de mão-de-obra, e de materiais primas. Assim observa-se que as regiões do planeta que conseguem oferecer as melhores condições são as mais capazes de atrair grandes investimentos e grandes organizações, que ao se instalarem nestas regiões contribuem de forma importante para o desenvolvimento regional. As regiões que possuem mão-de-obra qualificada, estrutura logística adequada, mercado consumidor forte, estabilidade social, econômica e política são consideradas as ideais por estas organizações.
           Neste contexto, o Brasil tem implementado estratégias objetivando adquirir as condições ideais para atrair investimentos, quer sejam através da instalação das indústrias e empresas modernas de tecnologia, quer seja através da indústria do turismo. O sucesso destas ações contribui para gerar emprego, renda, e o desenvolvimento regional.
           O Investimento na infra-estrutura do País é fundamental para o alcance desta condição adequada. O Brasil em décadas passadas fez escolhas erradas do ponto de vista logístico, priorizando a criação de rodovias e concentrando a produção apenas nas regiões sul e sudeste. Hoje, observa-se um grande esforço do governo visando recuperar o tempo perdido, e buscando criar novos pólos de desenvolvimento, aproveitando as potencialidades regionais.
           Investimentos em infra-estrutura é uma importante estratégia governamental para tornar o País mais atrativo para investimentos e capaz de gerar riquezas para a sua população, contribuindo de forma efetiva para diminuir as diferenças regionais. A localização geográfica do Nordeste Brasileiro, e em especial do Rio Grande do Norte sempre foi destacada como um dos grandes diferenciais de nosso estado, e que favoreceria o desenvolvimento econômico do RN, fato este que por fatores diversos, não se concretizou, mas que agora vem sendo o principal tema das discussões e ações dos nossos agentes públicos, que tem percebido que através de ações articuladas podem  construir condições necessárias o desenvolvimento. Evidencia-se aí algumas obras estruturantes, como por exemplo : O aeroporto de São Gonçalo do Amarante, a duplicação da BR 101, a duplicação da BR 304(projeto), a ampliação do Porto de Natal(projeto), a criação do instituto do Cérebro,  a criação das ZPEs de ASSU e MACAÍBA , a criação dos parques eólicos no litoral e no sertão central e a expansão das IES- Instituições de Ensino Superior no RN (UFERSA, A UFRN, IFRN ) demonstra este excelente momento favorável que se vive no Rio Grande do Norte.
           Apesar deste trabalho concentrado em prol de tornar o Rio Grande do Norte mais atrativo aos investimentos nacionais e externos, ainda percebo uma carência muito grande em investimentos na qualificação profissional da população para poder aproveitar este grande momento em que estamos vivendo e que viveremos em breve.
           Excetuando-se o trabalho de expansão das Instituições de ensino Superior instaladas em nosso estado, não identifico nenhuma ação importante articulada pelos órgãos responsáveis  para qualificar os jovens e preparar aqueles que estão fora do mercado de trabalho para aproveitarem estas oportunidades que estão surgindo, com a expansão da economia e com os investimentos na infra-estrutura de nosso estado. Nossa população precisa ser preparada para estar apta a participar e entrar neste mercado de trabalho, que ora surge, com novas profissões, que se utilizam de novas tecnologias, e em especial as ligadas a área de logística, visto que estas ações na infra-estrutura de nosso estado contribuem de forma importante para que o Rio Grande do Norte venha a ser a porta de entrada de pessoas e cargas na América do Sul. 
           Acredito que o sucesso das estratégias implementadas para tornar o Rio Grande do Norte a porta da América do Sul, passa essencialmente pela qualificação profissional, e isto exige a formação de profissionais para atuar nas áreas de inteligência logística, tecnologia da informação, gestão de suprimentos, entre outros.
           Neste novo cenário que surge será preciso que as pessoas sejam mais competitivas, mais produtivas e mais suscetíveis as mudanças, sendo mais capazes de empreender e usar a criatividade em prol de encontrar soluções para os problemas do dia-a-dia do seu trabalho.
           Portanto, vislumbro um cenário de muitas oportunidades de trabalho e de renda, mas com pouca gente qualificada para as melhores posições, pois percebo que as pessoas não estão se qualificando, e os governos não estão estimulando neste sentido.

EDUCAÇÃO TRANSFORMADORA

 Ao viajar pelos recantos de nosso estado percebo ainda uma grande dificuldade dos Empreendedores locais de desenvolver seus projetos e empreendimentos. A paisagem seca e árida do sertão de nosso estado faz os empreendedores se questionarem se é possível produzir algo numa região de tantas adversidades, poucos investimentos públicos e falta de interesse governamental e baixa densidade demográfica. 
Desde a época da colonização do Brasil ir para o interior do País era missão para os mais destemidos, pois além das dificuldades de mantimentos, e do clima, haviam ainda os índios que resistiam de forma agressiva a chegada do homem Europeu às nossas terras.  A  Expansão da Pecuária como forma alternativa de economia para os potiguares no período da colonização do interior do Rio Grande, exigiu grandes esforços e muita coragem daqueles desbravadores.
           Hoje os empreendedores não precisam enfrentar “selvagens”, tampouco faltam mantimentos, as dificuldades estão ligadas a escassez de mão-de-obra qualificada e de poder aquisitivo da população.
           Entretanto acredito que em pouco tempo esta realidade mudará. Na verdade já tem mudado, com a expansão da educação federal pelo interior do Nordeste, expansão esta, que contribui de forma importante para mudar a mentalidade e a cultura das pessoas que moram nestas regiões. A chegada de servidores docentes e técnicos administrativos concursados para estas regiões com a implantação das IES – Instituições de Ensino Superior gera uma integração de conhecimento, aumento do poder econômico do município e o surgimento de novas oportunidades para os empreendedores. O que estimula a população local a buscar mais conhecimento e tecnologia para empreender e viver melhor.
           É importante ainda destacar que a grande maioria destas expansões levou em consideração as potencialidades econômicas das regiões beneficiadas, favorecendo formação de mão-de-obra qualificada, com reais perspectivas de empregabilidade. Esta ação favorecerá ao fortalecimento dos pólos econômicos do nosso Estado, conforme destaco: Mossoró e Região com Sal, Petróleo, castanha de Caju e Fruticultura Irrigada. Região do Vale do Açu com a fruticultura irrigada e o pólo ceramista. A região de Macau/Pendências com a Pesca e Petróleo. A região do Seridó com a pecuária de corte e leiteira, destacando a produção de queijos e a produção de minérios. A região do Sertão central com a pecuária leiteira, criação de caprinos/Ovinos e Mineração em Lajes, Trairi/Potengi com pecuária e têxtil e nos municípios da grande Natal destacamos o Turismo e serviços.
          Com a chegada dos Cursos de Engenharias,  Ciência e Tecnologia e Informática no sertão central, no Médio e alto Oeste do RN, através dos Campis da UFERSA, instalados em Angicos, Caraúbas e Pau dos Ferros percebe-se claramente a necessidade de empenho dos gestores na busca de empresas e organizações que desejem se fixar próximo a esses municípios visando aproveitar as potencialidades locais, interagir com a comunidade científica, e principalmente aproveitando a mão-de-obra gerada por estas Universidades.
           Estas mudanças na economia e na vida social dos municípios, que agora passam a ser pólos de atração de jovens e profissionais ligados a educação gera um ambiente favorável ao surgimento de novos negócios. Vislumbro boas oportunidades para essas regiões, entretanto, entendo que é preciso haver uma articulação melhor entre os gestores municipais, o governo estadual, as Instituições de Ensino Superior, os órgãos de desenvolvimento econômico, as Instituições de fomento, e as associações de classe, em especial a FECOMÉRCIO para que seja possível se planejar melhor o desenvolvimento destes municípios e regiões, orientando e preparando as pessoas para que sejam capazes de empreender neste novo cenário, favorecendo assim que estas oportunidades sejam aproveitadas pelas pessoas da região, pois algum empreendedor certamente irá aproveitá-las e conseguir alcançar o sucesso.
           É preciso que os gestores públicos trabalhem para levar investimentos que criem empregos e possam gerar renda nas regiões com altos índices de desemprego, violência e de emigração da população. Acho muito importante e sei da questão estratégica da Energia para qualquer região, entretanto percebo que se tem promovido de forma demasiada a instalação de parques de energia eólica em nosso estado, mas a geração de empregos para a população é insignificante. Os gestores precisam focar na geração de emprego e renda, e incentivar a interiorização da industrialização do estado, focando nas potencialidades de cada município, estimulando a economia local, regional e a estimulando os fluxos migratórios pelo estado, atraindo as pessoas mais qualificadas para estas áreas de expansão econômica, aliviando a pressão demográfica que existe na Grande Natal.
           Portanto, se desejamos que o nosso estado continue a crescer,  nossos líderes precisam trabalhar firmemente em prol de um planejamento de médio e longo prazo para que que este momento seja muito bem aproveitado.
        Assim é preciso destacar o trabalho de alguns parlamentares, principalmente o da Deputada Fátima Bezerra, do Partido dos Trabalhadores que tem se dedicado de forma intensa a trabalhar pela expansão da educação tecnológica e superior pelo interior do Rio Grande do Norte.